Seu navegador tentou rodar um script com erro ou não há suporte para script cliente.
Ministério do Turismo
Início do conteúdo

Não-Me-Toque

A trajetória de Não-Me-Toque é marcada, primeiramente, pela chegada do elemento luso, quando descendentes de portugueses vieram instalar suas fazendas no vasto território, ainda inexplorado por homens civilizados, na segunda década do século XIX. Ao final do século XIX, as grandes extensões de terras, no território sulino, ficaram quase inexploradas e tornaram-se um atrativo para os imigrantes alemães que, a partir de 1824 chegaram a região.
No panorama de novas colônias do Rio Grande do Sul, surgiu a \\\"Colônia do Alto Jachuy\\\", que desde o ano de 1897, recebeu um grande número de imigrantes descendentes de alemães e, em menor número de italianos, chegados no final desse mesmo ano.
Em 1949, chegaram as primeiras famílias de holandeses e por este fato Não-Me-Toque é considerada o berço da imigração holandesa no Estado. Na década de 1950 começaram as lutas de várias localidades em busca de sua autonomia político-administrativa, entre essas a Vila de Não-Me-Toque, na época 2º Distrito de Carazinho.
A lei de nº 2.555, de 18 de 1954, respaldada nos resultados do plebiscito criava o município de Não-Me-Toque. Mas em 1970 inicia-se, um movimento para a troca do nome para Campo Real, em homenagem ao cereal rei- trigo, cultivado em grande escala nas lavouras do município. Em 9 de dezembro de 1971, Não-Me-Toque, passa a chamar-se Campo Real.
Reações contrárias chegaram através da Lei nº 6.601 de 27 de setembro de 1973, realizado um plebiscito favorável ao nome anterior de Não-Me-Toque, então em 27 de dezembro de 1976, é assinada a lei que determinou a volta do nome antigo.

Mapa do Rio Grande do Sul - Região de Três Coroas
Não-Me-Toque, RS
282Km de Porto Alegre